Hoje vamos aprofundar mais um pouco no processo de recrutamento e seleção em TI. Falaremos sobre as principais diferenças entre as vagas não técnicas e as de tecnologia, das dificuldades específicas da área e, claro, te daremos dicas para um processo bem-sucedido. Vamos lá?

 

Vaga de TI x Vagas Tradicionais

Realmente existe uma diferença entre os mercados na hora de conduzir um processo seletivo.

Mas, afinal de contas, o que difere as vagas de tecnologia das demais? A maior diferença é em relação ao nível de complexidade, já que os conhecimentos do mercado de tecnologia são bem específicos. E sabemos que, normalmente, quem faz o processo de recrutamento e seleção não tem domínio total da área.

Outra questão é que, dentro de cada especialização, existem também inúmeras expertises. Você pode ter vários profissionais de TI dentro de um mesmo time e cada um terá uma experiência e conhecimentos diferentes em relação à linguagens, frameworks e bibliotecas. Para alguns recrutadores, todas essas diferentes skills podem virar uma “sopa de letrinhas”, gerando dúvidas entre áreas de atuação e as habilidades necessárias para trabalhar.

A área, além de muito técnica, é dinâmica. Muitas vezes as pessoas de TI são contratadas para projetos pontuais, o que faz com elas não estejam acostumadas a criarem vínculo com a empresa. Esse é um dos motivos que pode acabar gerando dificuldade de retenção.

Por fim, vale ressaltar que o mercado está aquecido. Sabemos que existem diversas ofertas no mercado e que não param de surgir novas oportunidades. Com tudo isso, se torna cada vez mais difícil encontrar profissionais que estejam totalmente engajados com a empresa. 

 

Quais são as dificuldades e o que fazer para um processo de recrutamento e seleção em TI bem sucedido

Já vimos que, de fato, existem diferenças e obstáculos entre processos seletivos que são para a área de tecnologia e os demais. Agora vamos falar sobre as três principais dificuldades para encontrar esses profissionais e como superá-las.

 

Entrevistar

A entrevista individual pode ser um dos grandes desafios para a contratação das pessoas de áreas técnicas. Recomendamos que converse com o time e crie um roteiro para te ajudar na hora da conversa. Além da avaliação do fit com a cultura da empresa, os conhecimentos técnicos também precisam ser avaliados nessa etapa.

Vale começar a entrevista com perguntas gerais, até para deixar a pessoa candidata mais a vontade, e depois aprofundar para questões um pouco mais técnicas.

Perguntas iniciais:

  • O que você gosta de fazer no seu tempo livre?
  • O que você busca em uma empresa?
  • Conte um pouco sobre sua trajetória em empresas anteriores.
  • Com suas habilidades e experiências, como você acha que pode nos ajudar?
  • Qual situação profissional superada que você tem orgulho de se lembrar?

 

Com essas perguntas, você já terá uma noção geral sobre a pessoa e algumas de suas soft skills. Agora é hora de aprofundar um pouco mais. Lembrando que para cada vaga, as perguntas podem, e devem, mudar. Você precisará alinhar com a liderança da área o que é fundamental saber. Aqui estão só alguns exemplos.

Perguntas técnica:

  • Você conhece arquitetura em 3 camadas?
  • Me conte sobre sua experiência com metodologias ágeis.
  • Você já ouviu falar em TDD e BDD?
  • Quais linguagens você tem mais familiaridade e experiência?

 

Contratar 

A contratação é reflexo da avaliação da entrevista e é importante garantir a sua percepção comportamental, cultural e técnica. Analise cada ponto da entrevista e valide as questões técnicas com a liderança da área ou conte com a ajuda de especialistas ao longo do processo. E independente da opção que escolher – ajuda interna ou terceirizada – é importante contar com o olhar qualificado para que a admissão seja efetiva. 

 

Reter pessoas contratadas

Sabemos que o trabalho do RH nunca acaba depois do processo de recrutamento e seleção. Tudo começa no onboarding e continua na retenção dos profissionais, uma tarefa bem importante e de longo prazo.

Mantenha sempre o diálogo aberto com as pessoas contratadas, procurando coletar seus feedbacks em relação a rotina, a empresa, a liderança, etc. Sabemos que muitas vezes podemos reverter a insatisfação de um colaborador com conversas recorrentes. A prevenção pode fazer com que economizem com novas contratações, treinamentos, gastos financeiros, etc.

Cuide também do clima organizacional e das ações de integração. Fazer parte de algo, é importante para o bem-estar e sensação de pertencimento das pessoas. Cuidar desses sentimentos dos profissionais é estratégico para mantê-los engajados e motivados. Atualize os benefícios de acordo com a necessidade e feedbacks. Observe o mercado e pergunte as vontades do time. Tudo isso é essencial para manter um diálogo aberto e mostrar que a empresa se importa com cada um.

 

Esperamos que as dicas ajudem nos próximos processos de recrutamento e seleção de TI e estaremos sempre à disposição para ajudar. Seja nos conteúdos com as melhores dicas sobre processos de contratação, ou com nossos produtos desenvolvidos para te ajudar a recrutar pessoas de tecnologia. Conte com a Vulpi!


Laura da Vulpi 💜

Laura da Vulpi 💜

Olá, sou publicitária, com especialidade em marketing de relacionamento e Inbound Marketing. Sou apaixonada pelo universo da tecnologia e hoje ajudo a conectar empresas com profissionais de TI. Transforming careers through Education and Technology 💜

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *