Nível de escolaridade, experiências profissionais, cursos extra-classe, gênero, idade, cor de pele e nacionalidade. Na hora de anunciar suas vagas de emprego, estágio ou trainee, muitas empresas afirmam que avaliam somente os três primeiros requisitos. Porém, a verdade é que muitas delas consideram, sim, as demais características citadas. E nós sabemos: não deveriam.

Utilizado pela Vulpi na entrega de candidatos a empresas, o currículo cego surgiu então como solução para evitar esse tipo de avaliação e tem se mostrado uma ótima forma de recrutamento nas empresas que o utilizam. Ainda não conhece essa técnica? Neste post, você vai entender como funciona, a importância de implementá-la em seus processos seletivos e como podemos te ajudar com ela!

O que é currículo cego

O currículo cego consiste em um processo de recrutamento diferente do convencional. Baseado na não identificação direta, a empresa encoraja o recebimento de candidaturas com informações totalmente baseadas nas experiências profissionais e qualificações das pessoas interessadas nas vagas.

Mas como isso pode acontecer? Algumas estratégias utilizadas consistem em retirar informações tidas como irrelevantes na seleção de um colaborador, tais como o gênero, a idade, a cor da pele (foto, por exemplo) e nacionalidade do candidato. Retira-se, inclusive, a assinatura do profissional, que é apresentada somente por meio de abreviaturas de seu nome e sobrenomes.

Por que adotar esse método em recrutamentos

O principal motivo da utilização do método de currículo cego é evitar a discriminação. Um estudo realizado pela CompTIA no 2nd Annual IT Career Insights revelou que as mulheres ocupam somente 24% das vagas de TI atualmente. A evidência aqui é a de que o gênero influencia, sim, na inserção dessa parte da população no mercado de trabalho da área.

Além disso, diferentemente do que muitos admitem, a cor da pele também exerce influência no processo de seleção de candidatos a uma vaga de emprego. Uma pesquisa do Instituto Ethos e do Banco Interamericano de Desenvolvimento revelou que, ainda que a população negra seja maioria no Brasil, em geral, a quantidade de negros ocupando vagas em empresas ainda é muito menor do que a de brancos.

Por esses e outros motivos, o currículo cego é uma importante ferramenta que busca valorizar somente as habilidades e experiências do profissional que, de fato, são relevantes para a ocupação de uma vaga. Por meio dele, é possível realizar um processo de recrutamento mais assertivo, evitando discriminações.

Como conseguir currículos cegos

Apesar de ser uma ótima prática, a seleção por meio de currículos cegos pode ser um tanto difícil, principalmente na área de TI. Isso porque a avaliação do currículo desses profissionais se mostra uma tarefa árdua, pois apresenta termos técnicos nem sempre muito conhecidos por quem é da área. Além disso, muitas vezes não se sabe exatamente o que avaliar quando se tem documentos de desenvolvedores em mão, por exemplo.

Por isso, uma boa maneira de solucionar esse tipo de problema é a contratação de empresas especializadas na busca de colaboradores qualificados, por meio de banco de dados aprofundados. A Vulpi é uma delas. Ela consiste numa plataforma que oferece às organizações sugestões de desenvolvedores de software disponíveis considerados aptos e que melhor se adequam à vaga divulgada.

Utilizando o método do currículo cego, somos capazes de entregar bons profissionais ao setor de Recursos Humanos de nossos clientes. Isso é feito oferecendo-lhes apenas informações relevantes e omitindo características como idade, gênero, cor de pele e nacionalidade dos desenvolvedores da sua plataforma, para evitar qualquer tipo de discriminação.

Quer conhecer mais sobre o que a Vulpi pode te oferecer e como podemos ajudar nos processos de recrutamento da sua empresa? Acesse nosso site e confira as vantagens da nossa plataforma!

RECEBA GRÁTIS


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *