Linguagem C

A linguagem C é importantíssima para a história da computação. Ela foi criada há muito tempo atrás com o objetivo de ser uma camada entre os desenvolvedores e o hardware. Antes, o código era escrito numa linguagem que o hardware entendia e isso exigia mais dos desenvolvedores.

A ideia inicial era permitir que um desenvolvedor escrevesse o código na linguagem C e um software compilador traduziria isso de uma forma que o hardware entendesse, sendo, basicamente, uma camada.

É uma boa ideia um software compilador traduzir a linguagem C para facilitar no processo de desenvolvimento?

Do meu ponto de vista, de programador em 2021, isso não parece uma boa ideia, mas considerando a popularização dos computadores faz sentido. Eles funcionam de maneiras complicadas, assim, linguagens intermediárias surgiram para permitir que pessoas comuns usassem softwares e, além disso, pudessem desenvolve-los. Novamente, a situação das camadas fica explícita.

A previsão da popularização dos softwares não era precisa. Imaginava-se, mas ninguém tinha certeza e além disso, o surgimento da linguagem C é de antes dos computadores pessoais. Ela é de uma época onde os computadores eram apenas para empresas, indústrias e governos, porém o mundo foi girando e ela se consolidou.

Em 2021, um código PHP é bem parecido com um C, um código Java é bem parecido com um código C, um código JavaScript é bem parecido com um código C. Só que também existem outros que não tem semelhança e alguns exemplos são: Python, Pascal, Assembly, SQL, HTML e CSS.

Uma questão que valida essa consolidação do padrão C é a evolução do hardware: A memória RAM de hoje é bem diferente daquela época, por exemplo. Muitas camadas de melhorias surgiram e foram implementadas, sendo esse um dos motivos que faz as linguagens intermediárias ainda serem relevantes. A linguagem C é a mesma e cada hardware deve se adaptar, talvez eles estacionem em um limite, e daí as linguagens diretas sejam mais difundidas.

Existe também a questão didática: A linguagem C é usada no ensino e existem outras abordagens, mas essa é bem tradicional.

Conteúdo produzido por Rodrigo Schio.

Sobre o autor:

Rodrigo é um programador que faz jogos. Ele estudou na Universidade de Ribeirão Preto e fez vários cursos on-line. Atualmente, divide seu tempo entre a família, o esporte, o rock ‘n’ roll e, também, se dedica a novos projetos na área de desenvolvimento de software.

Este texto foi produzido por um autor convidado. Tem interesse em compartilhar algum conteúdo no Blog da Vulpi? Clique aqui.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *